QUA 18 DE JULHO DE 2018 - 13:36hs.
Pesquisa

Três em cada dez brasileiros participarão de bolões na Copa do Mundo

Três em cada dez pessoas pretendem participar de um bolão durante a Copa do Mundo 2018. A pesquisa foi feita pela plataforma de finanças GuiaBolso e contou com 1.045 entrevistados. A maioria das pessoas (71,9%) pretende gastar até R$ 50 por bolão, mas há também quem irá desembolsar mais. E, apesar de praticamente metade (46,6%) apostar em apenas um bolão, os mais empolgados irão jogar em dois (24%), três (10,6%) ou até mais (18,8%).

Mesmo com a fase positiva dos jogadores recentemente, o 7 x 1 ainda pesa na memória do brasileiro e nem todo mundo está otimista com a seleção. Do total de entrevistados, 78,5% irão apostar a favor e 21,5% contra o Brasil no campeonato.

A pesquisa também levantou uma outra hipótese: se ao invés de apostarem, os consumidores investissem a mesma quantia, qual seria o lucro? Uma simulação do GuiaBolso mostra que se a pessoa pegasse R$ 100 todos os meses e investisse em algo conservador, como um título público ou fundos de renda fixa (rentabilidade líquida de 0,6% ao mês), em quatro anos teria acumulado pouco mais de R$ 5 mil.

Com R$ 200 todos os meses, o valor se multiplica e chega a quase R$ 11 mil, valor suficiente para bancar, por exemplo, uma parte da viagem da próxima Copa e assistir aos jogos ao vivo. Se o investimento escolhido fosse um pouco mais rentável, como uma renda fixa privada, os R$ 200 mensais se tornam mais de R$ 12 mil em quatro anos.

“Quando participa de um bolão e às vezes até nos investimentos, o ser humano busca fazer uma aposta certeira ou muito rentável. Mas geralmente a regularidade da economia e investimento acaba sendo mais eficiente para construir uma reserva e patrimônio”, diz o CEO do GuiaBolso, Thiago Alvarez.

Entre aqueles que não participarão do jogo das apostas, uma em cada quatro pessoas quer economizar. Outros motivos relacionados ao esporte, como não acompanhar futebol, não gostar da Copa ou não saber chutar os resultados também aparecem no grupo das pessoas que preferem ficar de fora dos bolões. “Se quer economizar dinheiro a pessoa já tomou um primeiro passo que é resistir ao impulso de gastar. Agora ela precisa criar a regularidade da economia e começar a aplicar”, diz Thiago. 

Fonte: GMB / Redação O POVO Online