QUA 18 DE OUTUBRO DE 2017 - 18:33hs.
Alejandro Ortiz, fundador e CEO

“Acredito que o Brasil será o melhor mercado do mundo para a Ortiz Gaming”

(Exclusivo GMB) - O empresário Alejandro Ortiz, fundador e CEO da Ortiz Gaming, faz uma análise de sua presença no mercado global de jogos e aponta que a empresa tem desenvolvido e customizado produtos para atender à peculiaridade de cada local onde está presente. E prevê que até a metade do próximo ano o Brasil tenha regulamentado a atividade: 'Temos o DNA brasileiro em nossa essência e isso será um diferencial'.

GMB - Como você vê o atual posicionamento da empresa no mercado global de jogos?
Alejandro Ortiz -
Antes de mais nada, gostaria de agradecer o convite desta entrevista, já que a Games Magazine é uma publicação que conheço desde meu começa na indústria de jogos.  E respondendo à sua pergunta, estamos fortemente posicionados como o principal fornecedor de videobingo para o mercado global, tanto no mercado físico como para o mercado digital.

Nossa empresa está ampliando a oferta de produtos de videobingo, bem como a oferta de produtos agregados. No tocante à nossa plataforma, poderão ver na G2E deste ano uma grande gama de produtos em monitores de 27 polegadas, já com as telas na nova geração de videobingo. Com tudo isto estamos aptos em aumentar nossa cota de mercado nos continentes em que atuamos.

Quais são os principais países onde a Ortiz está operando?
Estamos operando em diversos países da América, Europa e Ásia no tocante ao modelo físico, e no seguimento on-line temos assinado e por assinar contratos em diversas páginas ao redor do globo, e isto fruto do resultado de nossos produtos.

O que a empresa espera para 2018?
Podemos separar o crescimento de 2018 em duas partes.

A primeira em nível global, esperamos um crescimento bastante robusto, tanto no crescimento do parque instalado, como no melhor resultado financeiro de nossos jogos, e como consequências destes dois pontos, um crescimento em beneficio de nossos clientes, que é nosso objetivo final. Também estamos ampliando significativamente nosso departamento de desenvolvimento. O objetivo é para que possamos customizar nossos jogos a cada mercado, tanto na América como na Europa e Ásia, já que eles têm diferente perfis de jogadores. Assim, estamos customizando nossos jogos para cada um deles, tanto no tocante às telas de nossos jogos, sonorização e à distribuição matemática.

Por outro lado, estamos lançando uma série de novos jogos para o mercado on-line. E como comentei antes, estaremos customizando os jogos também para o mercado on-line, já que os jogadores deste seguimento também têm características próprias de jogabilidade.

A segunda parte depende da abertura do grande mercado do Brasil.

E quais são os planos da empresa para a futura abertura do setor de jogos no Brasil?
Estamos apostando muito forte na abertura do mercado brasileiro, na fabricação de nossos modelos de gabinetes no Brasil e na operação de nossos jogos dentro das salas de bingo que se abrirão.

Com DNA brasileiro, a Ortiz Gaming conhece bastante o mercado do Brasil. Isso será uma vantagem competitiva diante de outros players que nunca operaram no Brasil?
Em primeiro momento certamente fará muita diferença, e por vários motivos. Como temos o conhecimento do mercado e do gosto de seus jogadores, teremos os melhores jogos de largada. Pelo conhecimento prévio, conhecemos os melhores lugares de jogabilidade por estado, por cidade e por bairro no pais, dando-nos assim uma certa vantagem de conhecimento do mercado. A fase inicial será fundamental para nos posicionarmos fortemente no mercado, mas após esta fase, entraremos na fase de competição salutar do mercado, em que cada empresa deverá continuamente desenvolver os melhores produtos, ter a melhor operação de salas, pois o mercado maduro seria como qualquer mercado maduro do mundo. Somente a competência fará a diferença.

Espera que a regulamentação aconteça ainda neste ano?
Como esperança, gostaria que o mercado possa abrir ainda neste ano. Mas analisando friamente o momento político e econômico do Brasil, não acredito na abertura do mercado brasileiro neste ano. Dependendo dos acontecimentos políticos e econômicos, poderíamos falar na abertura do mercado para o segundo trimestre de 2018. Neste momento, o governo está tentando licitar a loteria instantânea Lotex. Isto também será um termômetro no mercado. Também estaria sendo julgado neste final de ano a possibilidade de as loterias estaduais atuarem com produtos lotéricos dentro da isonomia que defendem. A somatória destes fatores, mais o ambiente político e econômico, determinará os tempos da abertura do mercado. Estaremos esperando ansiosos, e principalmente preparados.

Quais serão as dificuldades para o início das atividades da empresa no Brasil?
Na realidade, para poder responder amplamente sua pergunta, deveríamos ter conhecimento prévio de quais serão as regras do novo mercado. Haverá certificações dos jogos?? Haverá certificação dos gabinetes??  Haverá homologação das empresas?? Haverá licitação de licenças??

Existem muitas dúvidas de como serão as regras do mercado. Mas posso adiantar que teremos muito menos dificuldades do que outras empresas. Não somente pelo conhecimento do mercado, como também por nossos jogos já estarem homologados em diversos países, incluindo Estados Unidos e Filipinas. Praticamente habilitando nossos jogos para o primeiro momento.

Será o principal mercado para a Ortiz Gaming?
Acredito que sim. Ou melhor dizendo, em cada país que estamos presentes, trabalhamos e nos dedicamos da mesma forma, independentemente do seu posicionamento  no mercado. No Brasil, atuaremos da mesma maneira, e se esse país se tornar o nosso maior mercado, deixaria todos da Ortiz Gaming muito orgulhosos, já que temos o DNA Brasileiro na nossa essência.

Fonte: Exclusivo GMB