QUA 18 DE JULHO DE 2018 - 07:38hs.
Rio Esports Forum

Juristas defendem eSport como esporte e falam sobre regulamentação em Brasil

De acordo com a programação do Rio Esports Forum, que aconteceu na última sexta-feira (27), podemos separar o evento em dois momentos distintos: o de juristas, na parte da manhã, e o dos profissionais ligados a áreas gamers diretamente, na parte da tarde. O Fórum foi a coalizão da tripla hélice do eSports, com a academia, o privado e o governo reunidos para o reconhecimento do eSports como esporte.

De acordo com a programação do Rio Esports Forum, que aconteceu na última sexta-feira (27), podemos separar o evento em dois momentos distintos: o de juristas, na parte da manhã, e o dos profissionais ligados a áreas gamers diretamente, na parte da tarde.

Neste primeiro momento, advogados, juízes e identidades como o presidente da Federação do Estado do Rio de Janeiro de Esportes Eletrônicos (FERJEE), Paulo Ribas, defenderam o reconhecimento do esporte eletrônico como uma modalidade esportiva, igualmente a qualquer outra tradicional, no painel "Esports é Esporte". No decorrer das falas, eles diziam que o esport precisa ser visto desta maneira tanto diante da lei, quanto no consenso popular, e por isso, a própria área precisa buscar a sua legitimação, assim como está sendo feito no próprio forum.

Logo na sequência, o painel "Esports é Direito" tomou conta do local, com os advogados discutindo as relações jurídicas dos atletas, suas equipes, as ligas e até mesmo sobre uma futura regulamentação, como a que anda em trâmite no Senado, e que inclusive foi aprovada recentemente pela Comissão de Ciência e Tecnologia.

Um assunto que foi a tona pela fala advogada especialista em Direito EsportivoLuciana Lopes da Costa, e que soou bem interessante para os presentes foi a criação de um Tribunal Especial, com pessoas especializadas, para resolver os litígios do esport, antes que eles cheguem as vias de fato da Justiça Federal. Desta forma, se evitaria mais problemas os lados envolvidos, a agilidade seria extremamente maior e, uma novidade importante aconteceria: o acusado teria a chance de defesa, coisa que acaba não acontecendo diversas vezes.

Na parte da tarde, com a continuação da programação, o painel “eSports é Notícia” debateu sobre o papel da imprensa. Composto por Barbara GutierrezJairo JuniorJulia Garcia, a Dra. Maureen Flores e Rodrigo Guerra falaram sobre matérias para educar o publico, as responsabilidades que a imprensa tem que ter com as notícias e sobre a importância do jornalismo investigativo no eSport. Julia Garcia citou sobre a influencia indireta que a imprensa tem para fazer com que as coisas aconteçam. A Dra. Maureen alertou e lembrou sobre a chance que todos os envolvidos com eSports tem, para consolidar um mercado rico e altamente democrático.

Nos painéis “eSports é Negócio” e “eSports é Global”, com participação de especialistas e personalidades ligados diretamente aos maiores clubes, eventos e agências que vivem o eSports, os debates foram focados na profissionalização do mercado e nos resultados que já são visíveis de ativações feitas por apoiadores e patrocinadores nos eventos, times, atletas e os influenciadores de eSports.

Não há como negar que uma das principais palavras do ecossistema de esporte eletrônico atualmente é a PROFISSIONALIZAÇÃO. Por isso, não há como mensurar a suma importância que a participação de tantos juristas qualificados participando do fórum e olhando para o esport tem.

Fonte: GMB / Xlg