SÁB 18 DE NOVEMBRO DE 2017 - 11:41hs.
BgC - Painel sobre os jogadores VIP

Fidelização em terra, no mar e no ar (on-line)

Igor Federal convocou Felipe Andrade, da Royal Carribbean, Gustavo Barcha, do Casino Iguazu, e Rui Magalhães, do Estoril, para discutir a importância da existência de programas para jogadores VIP. O próprio medidor fez uma explanação rápida sobre o conceito, já que atualmente não temos cassinos implantados no país, mas destacou a experiência de um setor que sempre oferece benefícios para jogadores considerados “muito importantes”.

O primeiro a falar foi Felipe Andrade, que disse que sua experiência é um pouco diferente daquela existente em cassinos em terra, já que a Royal Caribbean opera cassinos à bordo de seus cruzeiros. "Consideramos um valor mínimo de tempo e de valor apostado para que os jogadores sejam considerados clientes VIP. Nossa característica é oferecer um novo destino ou um novo navio para jogadores de sua carteira de clientes”. Segundo ele, o programa de fidelidade praticado junto a esses clientes os mantém informados sobre todas as novidades e recebem ofertas especiais.

"Sempre oferecemos um produto especial para jogadores brasileiros em nossos cruzeiros, mas o entretenimento oferecido nos cassinos de bordo introduzem sempre novos jogadores, sejam VIP ou não, para o setor. Muitas pessoas entram num cassino pela primeira vez a bordo de um cruzeiro para depois conhecerem estabelecimentos em terra. Ou seja, para muitos, somos uma porta de entrada para o brilhante ambiente dos cassinos”, conta, lembrando que o jogador VIP recebe inclusive um "certificado”, quando deixa o cruzeiro, que vale descontos especiais válidos por um ano para nova viagem como forma de manter um relacionamento saudável com esse cliente.

Pelo Iguazu, Gustavo Barcha disse que o resort cassino na fronteira da Argentina com o Brasil e Paraguai, recebe muitos clientes VIP provenientes do Brasil, "mas esse jogador acaba levando outros jogadores não VIP e até mesmo novos visitantes às nossas instalações”. Segundo ele, "hoje, 80% dos nossos jogadores VIP são brasileiros. E eles recebem toda nossa atenção. Conhecemos cada um deles e entendemos seus gostos e procuramos oferecer um serviço à altura do que eles significam para nosso empreendimento”.

O que Gustavo lamentou é que "hoje vemos jogadores VIP em cassinos em todo o mundo, ou seja, estamos exportando clientes VIP para outros destinos em vez de regulamentarmos os cassinos no Brasil e importar jogadores de todas as partes do mundo”.


PUBLICIDADE


Rui Magalhães, do Estoril Sol, contou que além do programa VIP para seus clientes preferenciais nas unidades instaladas em Portugal, criou também um programa de fidelização para os jogadores on-line. "Estamos incrementando isso em nosso portal e tem sido uma grata satisfação ver que os jogadores se sentem realmente bem atendidos. Isso fez inclusive que muitos dos nossos jogadores on-line passaram a frequentar também as salas físicas. Entre os benefícios oferecidos destacamos todas nossas atividades de entretenimento disponíveis em nossos resorts”, conta. A fidelização "silver” e "gold” do Estoril, segundo o executivo, está fortalecendo a presença tanto no portal de jogos quanto nas salas.

Igor Federal salientou a importância da sessão, já que foram abordados três temas iguais com experiências diferentes, "já que falamos em cassinos a bordo, um cassino na tríplice fronteira (Argentina, Brasil e Paraguai) e um com a característica do jogo on-line mesclado com o jogo de sala”. Assim, perguntou ao Felipe, da Royal, como destacar a importância do jogador de um cruzeiro.

"Ao longo dos anos, temos nos esmerado em oferecer ao jogador um atendimento realmente especial, a ponto de todo nosso staff ser informado da presença de jogadores com essa característica para que sejam recebidos com toda a pompa que ele merece, sem desmerecer os demais jogadores”.

Ao Guilherme, a pergunta foi sobre como o Iguazu diferencia jogadores dos três países, já que são de nacionalidades diferentes. "Não há grandes diferenças, pois o cliente VIP recebe toda a atenção que esperam, sejam brasileiros, argentinos ou paraguaios. O que destacamos é que os brasileiros são a grande maioria mas os demais jogadores VIP, da Argentina e Paraguai, recebem os mesmos benefícios e atenção”.

Sobre a união da fidelização do jogador on-line com o jogador de sala, Igor quis saber do Rui Magalhães se o Casino Estoril tem buscado oferecer benefícios para fazer a mão contrária de direção, levando os jogadores das salas físicas ao mundo virtual. "Não temos uma política neste sentido, mas apenas mostramos a eles que podem jogar 24 horas por dia diferentemente do jogo na sala, que funciona por apenas 12 horas. Há vantagens em um e em outro modelo. No jogo em sala, há os entretenimentos adicionais, como restaurantes e shows, enquanto que no cassino on-line você pode jogar a qualquer momento”.

Fonte: GMB