SEX 22 DE JUNHO DE 2018 - 21:48hs.
Luiz Felipe Maia, sócio da FYMSA Advogados

"Na Juegos Miami notei grande interesse e expectativa pelo mercado brasileiro"

O renomado advogado brasileiro, Luiz Felipe Maia, sócio do escritório FYMSA Advogados, esteve em Miami na última semana, palestrando no congresso Juegos Miami. Em uma rápida conversa com o GMB, Luiz Felipe, falou que deixou duas importantes mensagens ao público do evento e afirmou que apesar de notar uma frustração muito grande com o país, ainda há muito  interesse dos empresários pelo Brasil.

"Na Juegos Miami notei grande interesse e expectativa pelo mercado brasileiro"

Luiz Felipe Maia e Liliana Costa, da Clarion, organizadora da Juegos Miami

Luiz Felipe Maia e Liliana Costa, da Clarion, organizadora da Juegos Miami

GMB- Quais os principais pontos abordados em suas palestras durante a Juegos Miami realizada na última semana?
Luiz Felipe Maia -
A minha apresentação foi basicamente fazer um apanhado geral do que aconteceu nesse processo de regulação desde 2015 tentando explicar um pouco da conjuntura política que vivemos no Brasil nesse período em que tivemos impeachment, recessão, crise institucional e a dificuldade de se aprovar o jogo nesse ambiente político econômico.

Quais mensagens você deixou para o público que acompanhou suas palestras?
Podemos resumir em dois pontos a mensagem que eu quis passar. O primeiro é que é necessária uma coordenação de esforços. Enquanto cada grupo estiver puxando para um lado será mais difícil aprovar qualquer coisa. É muito mais fácil você bloquear um projeto de lei do que aprovar. Então a mensagem que eu quis passar para todos os grupos é que importante tentar achar algum meio termo para que haja, se não um consenso, pelo menos o desconforto seja menor. O outro ponto é justamente a necessidade de criar um ambiente mais favorável ao tema do jogo com campanhas de relações públicas, com trabalho de mídia para fazer com que a população em geral passe a ter uma noção maior do que é a industria e com isso a gente consiga ter menos resistência no legislativo.

Sobre as mensagens que você deixou, qual avaliação você faz do impacto que elas tiveram no público? Acredita que o  público absorveu bem e pode ter uma nova postura quanto a legalização?
Acho que o público entende a necessidade, mas é muito difícil essa negociação entre interesses distintos.

O que notou de novo no mercado em relação as expectativas que o setor  sempre tem para o Brasil?
O que se percebe é uma frustração muito grande em relação ao Brasil. Poucos se atrevem a fazer qualquer previsão de quando será aprovada a lei, mas todos afirmam ter interesse.

Fonte: Exclusivo GMB