SÁB 18 DE AGOSTO DE 2018 - 21:25hs.
Autor do livro sobre Jogos

Prestes é recebido pelo ministro Sérgio Sá Leitão em Brasília

O especialista em economia da cultura e autor do livro “A Teoria das Probabilidades no Jogo, na Ciência e nas Políticas Públicas” Luiz Carlos Prestes Filho, foi recebido em audiência ontem em Brasília pelo ministro da Cultura do Brasil, Sérgio Sá Leitão, para tratar do tema “Regulamentação de Jogos de Apostas em Dinheiro Administrados pela Iniciativa Privada”, que foi debatido há uma semana na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

O autor entregou ao ministro um exemplar de seu livro e defendeu, no encontro, a regulamentação dos jogos no Brasil e destacou a importância da atividade, especialmente do ponto de vista da economia, pela arrecadação de impostos e geração de empregos, tendo ainda o reconhecimento do ministro também para o aspecto cultural, com o comentário de que é uma “grande oportunidade para o conteúdo cultural brasileiro”.

De acordo com Prestes, o ministro foi incisivo ao afirmar que “temos de trabalhar junto à comissão do Marco Regulatório da Câmara dos Deputados Federais sobre a necessidade de cassinos e bingos regulamentados resgatarem a tradição cultural criada pelo Cassino da Urca e pelo Quitandinha, destacando que nomes como Grande Otelo e Carmem Miranda devem ser lembrados”.

Luiz Carlos Prestes Filho disse ao ministro que “no caso do jogo do bicho, quando regulamentado, a arrecadação de impostos deve ser direcionada para atender às escolas de samba e o carnaval”, pela ligação histórica entre as duas atividades.

Ao ministro – e na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, na semana passada – Prestes destacou a posição atrasada do Brasil na questão dos jogos, lembrando que as leis que proibiram o jogo foram definidas em momentos de forte repressão política e durante a ditadura. Segundo ele, a conhecida Lei das Contravenções Penais, de 1941, foi instituída por Getúlio Vargas para beneficiar amigos lotéricos, da mesma maneira que a proibição dos cassinos no Brasil foi editada pelo presidente Dutra para atingir o irmão de Vargas, Benjamin, que era sócio de cassinos, e o Partido Comunista Brasileiro, que era apoiado por bicheiros do Rio de Janeiro e São Paulo.

Um pouco dessa e também de outras histórias interessantes sobre a questão da proibição do jogo, Prestes narrou em entrevista à TV Assembleia de Minas Gerais, que pode ser vista clicando neste link.

Além de estar disponível na Livraria Cultura, o livrode Luiz Carlos Prestes Filho “A Teoria das Probabilidades no Jogo, na Ciência e nas Políticas Públicas”, tanto no formato impresso quanto digital, pode ser adquirido clicando neste link.

Fonte: GMB