DOM 19 DE NOVEMBRO DE 2017 - 19:15hs.
Muitas empresas interessadas

Confirmadas as datas e cidades para os “road shows” da LOTEX

Membros do BNDES e do Ministério da Fazenda devem informar aos representantes das empresas interessadas as vantagens e obrigações do negócio de loteria instantânea. Para isso, já estão definidas as datas e os lugares dos Road Shows: 28 e 29 deste mês serão em Londres, 2 e 3 de outubro, em Las Vegas e no dia 6, o encontro esta marcado para o Rio de Janeiro. Gigantes do mercado como IGT, Scientfic Games e Pollard participaríam.

O governo fará uma série de road shows no final deste mês e no próximo para tentar fazer em dezembro  a venda da Loteria Instantânea Exclusiva (LOTEX),hoje administrada pela Caixa. Para isso, já existem datas e lugares definidos, como você pode ver no Games Magazine Brasil:

28 de Setembro: LONDRES (na parte da tarde)

29 de Setembro: LONDRES (o dia inteiro)

2 de Outubro: LAS VEGAS

3 de Outubro: LAS VEGAS

6 de Outubro: RIO DE JANEIRO

O Road Show é como uma audiência pública na qual todas as empresas interessadas podem participar, em todos os locais designados. Nestas reuniões, representantes e especialistas do BNDES e do Ministério da Fazenda anunciam os direitos e obrigações da concessão LOTEX e respondem as dúvidas das empresas que decidirem participarem da "raspadinha” brasileira.

Várias informações indicam que gigantes do mercado, como IGT, Scientific Games e Pollard, apareceriam nesses Road Shows. A Intralot é outra grande empresa que estava interessada na LOTEX, além da Eagle Press, da Índia, que neste momento também analisa participar de algumas das concorrências.

O negócio de loteria instantânea, conforme definido pela WLA - World Lottery Association - consiste no uso de ingressos pré-impressos ou gerados por terminal. No Brasil, o serviço federal de loteria instantânea começou em 1990 e foi interrompido em 2015, mas em três estados, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Piauí, este serviço é oferecido ao público.

O mercado global de loteria instantânea é altamente concentrado, com 80% da receita nas mãos de três empresas: Scientific Games, Pollard e IGT-GTech. O negócio de loteria instantânea tem a segunda maior participação no mercado de loteria global, com 25,2%. No entanto, se projeta o maior crescimento da indústria para os próximos 5 anos (2017-2021), com CAGR (taxa de crescimento anual composta) de 12%.

Em 2015, no Brasil, o negócio de loterias aumentou R$ 14,9 bilhões com CAGR de 9% entre 2012 e 2015. Em 2014, antes da interrupção da loteria comercial instantânea, a participação desse segmento foi de 1,5% do total coletado. No mesmo ano, os dois Estados que venderam loteria instantânea arrecadaram aproximadamente R $ 100 milhões.

O BNDES publicou na terça-feira no Diário Oficial da União (DOU) que os interessados ​​na LOTEX podem enviar sugestões desta terça-feira até 11 de outubro através do site do BNDES. Também haverá uma sessão pública para discutir o tema em 26 de setembro na cidade do Rio de Janeiro.

A concessão da LOTEX à iniciativa privada deverá ocorrer em um leilão no final deste ano e faz parte do esforço de arrecadação do governo federal, que estima a dupla tributação sobre apostas após a privatização. Este volume de receitas pode saltar rapidamente de US$ 6 bilhões para pelo menos US$ 12 bilhões - o que pode ajudar a reforçar o caixa do Tesouro Nacional nos próximos anos, enquanto as contas públicas devem permanecer no vermelho.

O BNDES é responsável pela realização de todos os atos necessários para a privatização da LOTEX, cujo prazo de concessão será de 25 anos. Os documentos da consulta pública podem ser acessados ​​no site do banco de desenvolvimento. O negócio de loteria instantânea consiste no uso de bilhetes impressos ou virtuais, gerados com base em uma estrutura de recompensa previamente estabelecida e conhecida, na qual o apostador descobre se ele foi o vencedor sem a dependência de qualquer evento externo.

A LOTEX foi incluída no Programa Nacional de Privatização (PND) em janeiro de 2016. A receita da concessão LOTEX não está prevista no Orçamento deste ano. O leilão será em dezembro, mas a liquidação não ocorrerá no mesmo dia. "Se, por acaso, a receita do leilão ainda entrar no Orçamento este ano, ótimo, mas a receita não está no Orçamento de 2017", disse Mansueto Facundo de Almeida Junior, o Secretário na Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) do Ministério da Fazenda Mansueto no Twitter.

Fonte: GMB