SÁB 20 DE OUTUBRO DE 2018 - 19:49hs.
Único local na China com jogo legal

Peritos advertem que guerra comercial EUA/China pode afetar jogo em Macau

Especialistas do jogo consideram que Macau pode ser palco da guerra comercial entre a China e os Estados Unidos, nomeadamente as operadoras norte-americanas que querem renovar as licenças, quando se aproxima o final das concessões. Em 2017, a receita do jogo em Macau cresceu 19,1% para 265,7 mil milhões de patacas (27,5 mil milhões de euros).

O processo de licenciamento dos casinos está a ser analisado pelo Governo de Macau para determinar que operadores podem continuar a fazer negócios" na capital mundial do jogo, sendo "possível que a China aproveite esta oportunidade para diluir a influência dos investidores estrangeiros" no território, disse à Lusa a analista da Bloomberg Margaret Huang, especialista no jogo na Ásia.

As licenças de jogo terminam entre 2020 e 2022. Até à data não é conhecido um calendário para a revisão das licenças, nem é claro se será mantido o modelo de concessões e subconcessões.

"A China tem estado atenta às questões relativas ao fluxo de capital", lembrou Margaret Huang.

Macau é o único local na China onde o jogo em casino é legal. Em 2017, a receita do jogo em Macau cresceu 19,1% para 265,7 mil milhões de patacas (27,5 mil milhões de euros).

Para o fundador da Newpage Consulting, consultora especializada em regulação de jogos em Macau, o desenvolvimento futuro da guerra comercial EUA/China será fulcral para perceber se Macau será palco, ou não, deste conflito económico.

"A guerra comercial ocorre num momento em que os EUA estão a promover a militarização do mar do Sul da China e estão a tentar formar uma aliança de países com o objetivo de serem um contrapeso à iniciativa chinesa 'Uma Faixa, Uma Rota'", disse à Lusa David Green.

O risco é real, mas "se ficar restrita às tarifas, é difícil ver os operadores afiliados aos EUA em Macau a serem muito afetados", analisou o fundador da Newpage Consulting.

Em julho, o Presidente norte-americano, Donald Trump, impôs taxas alfandegárias de 25% sobre 34 mil milhões de dólares (29 mil milhões de euros) de importações chinesas, contra o que considerou serem "táticas predatórias" de Pequim, que visam o desenvolvimento do setor tecnológico.

A China retaliou com o aumento dos impostos sobre o mesmo valor de importações oriundas dos EUA.

"Tudo depende como a guerra comercial se desenvolver (...). Já não estamos somente a falar de tarifas. Acho que é a conjugação destes eventos que apresentam um risco real aos interesses dessas operadoras [norte-americanas com sucursais em Macau]", sublinhou.

Anunciada pelo Presidente chinês, Xi Jinping, a iniciativa "Faixa económica da rota da seda e a Rota da seda marítima do século XXI", mais conhecida como "Uma Faixa, Uma Rota", está avaliada em 900 mil milhões de dólares, e visa reativar as antigas vias comerciais entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

Como contrapeso, os Estados Unidos estão agora a formar a sua própria aliança para tentar travar a crescente influência de Pequim, principalmente no Sudeste Asiático.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, participou na sexta-feira e no sábado nas reuniões da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), em Singapura, onde anunciou um investimento de cerca de 300 milhões de dólares (259 milhões de euros) para cooperação e segurança na região da Ásia-Pacífico. A maioria dos países da ASEAN tem conflitos territoriais com Pequim no mar do Sul da China.

Neste contexto geopolítico e da escalada do conflito económico entre as duas maiores potências mundiais, a China pode decidir não renovar as concessões às operadoras de jogo norte-americanas.

"Penso que a República Popular da China sempre ficou um bocado confundida pelo facto de três concessões efetivamente se terem tornado em seis, duas destas a serem compradas por entidades afiliadas aos EUA", explicou David Green.

Entre março e junho de 2002 foram celebrados contratos entre o Governo de Macau, a Sociedade de Jogos de Macau (SJM), Galaxy Casino e a Wynn Resorts Macau para a atribuição de três concessões.

Em dezembro desse ano foi feita uma alteração ao contrato de concessão do Casino Galaxy na qual foi permitida à Venetian Macau explorar jogos de fortuna ou azar no território, mediante subconcessão. A SJM e a Wynn vieram também a assinar contratos de subconcessão com a MGM e a Melco Resorts.

A Venetian pertence à Sands China, que é uma sucursal da norte-americana Las Vegas Sands. A Wynn e a MGM são também grupos empresariais com maioria de capital norte-americano.

"Certamente, um novo concurso dará à China uma oportunidade de diluir a influência dos investidores estrangeiros, caso o deseje fazer", explicou o fundador da Newpage Consulting.

A questão agora é "quando é que este concurso acontecerá", afirmou David Green, lembrando que o chefe do executivo de Macau tem o poder de "estender os prazos de concessão em cinco anos".

Fonte: GMB / D