QUA 19 DE SETEMBRO DE 2018 - 06:57hs.
Números recordes

Portugueses apostam 14 milhões de euros por dia

Os portugueses continuam apostando forte e nunca o fizeram tanto como atualmente, seja online ou nos chamados jogos sociais. Os primeiros seis meses deste ano mostram que nunca se apostou tanto em Portugal. Totobola, Euromilhões e M1lhão estão perdendo terreno nas escolhas. A Raspadinha se mantém como a mais escolhida.

Nos primeiros seis meses do ano foram investidos mais de 1 500 milhões de euros nas várias ofertas da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. E mais mil milhões nos sites que dão a possibilidade de apostar em eventos desportivos ou em jogos de fortuna ou azar.

Feitas as contas, todos os dias são gastos mais de 14 milhões de euros nas várias categorias de jogos legais existentes no país, ou seja, em média, cada português gasta diariamente 1,4 euros.

A Raspadinha é a preferida no que diz respeito aos jogos sociais da SCML num panorama em que os dados fornecidos ao DN confirmam que nunca se gastou tanto dinheiro em apostas como no primeiro semestre deste ano.

Segundo a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, entre janeiro e junho foram investidos 1571 milhões de euros no jogo, o valor mais alto desde 2013 - nesse ano foram 890 milhões.

No período homólogo do ano passado foram apostados 1487 milhões de euros.
 


Os três jogos da responsabilidade da SCML de eleição para os portugueses são a Raspadinha (806 milhões de euros); Euromilhões (363 milhões, mas do pódio é o único a descer nas preferências dos apostadores) e Placard (268 milhões).

Os números referentes aos primeiros seis meses do ano mostram uma tendência bastante diferente da que estava a acontecer desde 2013: na primeira metade de 2018, o desinteresse das pessoas só recaiu em três jogos - além do já referido Euromilhões, o Totobola e o M1lhão.

Todas as outras ofertas da SCML subiram no valor de apostas, interrompendo a tendência decrescente que vinham a registar-se nos períodos homólogos.

Com a curiosidade de a Lotaria Clássica ter passado de um valor de cerca de 15 milhões no ano passado para 20 milhões entre janeiro e junho.

Em sentido contrário surgem o Totobola (perde cerca de 1,2 milhões de euros) e o Euromilhões (perto de dois milhões a menos).

Como o Placard, no sistema de entrega das apostas nos mediadores, mantém uma trajetória ascendente desde o seu lançamento, a 9 de setembro de 2015 - neste primeiro semestre foram apostados 268 milhões de euros que comparam com os 256 milhões do período homologo -, a leitura que se pode fazer é que há uma transferência do interesse dos apostadores para este jogo.

Apostas "online" também a subir

O gosto dos portugueses pelas apostas fica também visível no relatório sobre a "Atividade do jogo online em Portugal", da responsabilidade do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos.

Segundo os dados referentes ao primeiro semestre do ano, o volume das apostas desportivas à cota foi de 190 milhões de euros, valor que dispara quando se refere aos jogos de fortuna e azar: 909 milhões de euros.
 


Estes valores foram registados pelas oito entidades que estão autorizadas a explorar jogos e apostas online em Portugal, havendo 13 licenças distribuídas: seis para apostas desportivas à cota e sete para jogos de fortuna ou azar.

No caso das apostas desportivas, o documento releva o facto de, em comparação com os primeiros seis meses do ano passado, existirem agora mais três licenças.

Quanto às modalidades preferidas dos apostadores, o futebol lidera com muito vantagem (74,4%), seguindo-se o ténis (14,2%) e o basquetebol (7,2%).

Para este domínio do futebol contribuiu, além de ser o desporto que mais adeptos tem em Portugal, a realização do Campeonato do Mundo na Rússia (que a França venceu, ao derrotar na final a Croácia, por 4-2) potenciou um aumento de 20% do volume de apostas na modalidade.

Em relação aos jogos de fortuna ou azar, as máquinas de jogo (55,42%) são as mais procuradas por quem aposta. Seguem-se o póquer não bancado (15,29%) e a roleta francesa (14,79%).

Fonte: GMB / Diário de Notícias