QUA 19 DE SETEMBRO DE 2018 - 06:57hs.
João Estevam Amaral
OPINIÃO - João Estevam Amaral, jornalista especializado em Jogos

Brasil caminha para a legalização do jogo

Faltando poucos dias para a eleição que vai definir o futuro Presidente do Brasil, o maior país da America do Sul pode aprovar nos próximos meses, através de emendas ao Marco Regulatório do Turismo na Câmara Federal, a Legalização dos Cassinos, Bingos, Jogos online e bingos em estádios. 

Brasil caminha para a legalização do jogo

Faz quase quatro anos que empresários do setor travam um embate no Congresso Nacional para a legalização do jogo no Brasil, vários foram os projetos apresentados tanto na Câmara quanto no Senado, entretanto, durante esse período o Brasil enfrentou muitos problemas políticos que acarretaram em afastamento e prisão do antigo presidente da Câmara dos Deputados, afastamento da Presidente da Republica, desconfiança do atual presidente e até mesmo prisão do antigo presidente, líder mais popular do pais, dificultando o encaminhamento do projeto resultante do trabalho do Marco Regulatório do Jogo no Brasil. 

Hoje, mesmo diante a descrença de muitos, existe a possibilidade real de algumas das modalidades de jogo entrarem como emendas do Marco Regulatório do Turismo no Brasil, o tema que tem como relator o Deputado Paulo Azi, do DEM da Bahia, tem objetivo de fomentar e desburocratizar o setor do turismo no Brasil, foi apresentado em plenário e recebeu 8 emendas de deputados que possibilitam o empreendimento legal de algumas modalidades. Agora, se está aguardando uma chamada de pauta  no plenário da Câmara dos Deputados para que seja concluída a discussão da matéria e a votação do projeto, que precisa ter o voto a favor de 257 dos 513 Deputados Federais.

Enquanto se espera essa janela para a votação do Projeto do Marco Regulatório na Câmara dos Deputados, no próximo dia 07 de outubro, os brasileiros vão escolher o futuro Presidente do Brasil. O maior líder popular do país, Luis Inácio Lula da Silva, o mesmo que decretou o fim dos bingos no Brasil, ainda tem o maior índice positivo nas pesquisas de opinião pública e também é dele o maior índice de rejeição entre os eleitores. Ele está preso acusado de comandar uma quadrilha de corruptos e já está condenado em segunda instância a uma pena de 12 anos e um mês, motivo que o tira da disputa, já que está enquadrado na lei da ficha limpa, que não permite a participação de condenados em segunda instância.

Com Lula fora da disputa, o ex-militar Jair Bolsonaro passa a liderar as pesquisas, mas também pertence a ele o maior número de rejeição fora Lula. Outro fato contrário a Bolsonaro, que defende uma luta contra a corrupção e a violência, diz respeito ao pouco tempo de propaganda nas redes de rádio e TV já que vai dispor apenas de 18 segundos por dia para expor sua propaganda. Bolsonaro já manifestou que não vai defender abertamente a legalização do jogo, mas admite que a receita da atividade será bem vinda ao país, que atravessa uma séria crise financeira.

Entre os candidatos de esquerda estão Marina Silva e Ciro Gomes, que se mantém tecnicamente empatados, eles também dispõem de pouco tempo de exposição na TV e rádio, Ciro 1 minuto e 20 segundos e Marina 46 segundos, ambos não demonstram simpatia ao tema do jogo, mas já foram candidatos em outras épocas e não conseguiram votações que os colocassem no segundo turno de uma eleição presidencial.

Um pouco abaixo dos percentuais dos candidatos de esquerda está Geraldo Alckmin, o ex Governador do Estado de São Paulo por duas vezes, tem o maior arco de alianças da eleição,  possibilitando que disponha de 11 minutos e 3 segundos de exposição. Os adversários estão tentando colar em Alckmin a imagem do atual presidente, que tem um índice de popularidade muito baixo. Alckmin tem uma posição firme a favor do jogo e acredita que a atividade vai poder fomentar várias áreas que precisam de apoio.

Outro candidato será Fernando Haddad, que provavelmente será o substituto de Lula, seus índices nas pesquisas são baixos, mas fatalmente deve trazer em seus propósitos uma opinião contraria ao jogo, tal qual seus líderes.

Em se tratando de poder Legislativo, a tendência é que continuaremos a ter Rodrigo Maia, atual Presidente da Câmara dos Deputados, como representante máximo do Legislativo, já que Maia decidiu largar sua candidatura a Presidente da República para costurar o arco de alianças que sustenta a candidatura de Geraldo Alckmin, pois Deputados de 5 dos 7 maiores partidos já acertaram que vão apoiar a reeleição de Rodrigo Maia para os próximos dois anos de mandato. Ele tem sido um dos grande incentivadores da legalização da atividade no Brasil.

Que se escolham os candidatos e enfim... se façam as apostas!!!

João Estevam Amaral

 

João Estevam Amaral é Jornalista, foi proprietário de Bingos no Rio de Janeiro e Operador de Máquinas em vários Estados do Brasil. Acompanha de perto os passos da legalização da atividade em Brasília e representa empresas de fora do Brasil (joao-estevam@hotmail.com).