QUA 23 DE MAIO DE 2018 - 08:03hs.
Gabriel Castro, presidente da Real Poker

“Nosso portfólio de cassinos internacionais vem crescendo de maneira sustentada”

(Exclusivo GMB) –Gabriel Castro, presidente da Real Poker, uma das principais empresas brasileiras fabricantes de mesas e fichas para jogos de cassino, fala de sua companhia e do quanto ela vem crescendo, mesmo sem a regulamentação da atividade no Brasil. “Os clientes da Real Poker atestam que temos preços excelentes diante de competidores de outros países, uma vez que toda a produção é nacional, baseada em nossa moeda, o real”, explica Castro.

GMB – Como uma empresa brasileira fabricante de mesas e fichas para cassinos consegue sobreviver num país onde esse tipo de atividade ainda não é permitida?
Gabriel Castro – Temos vertentes um pouco diferentes diante desse quadro no Brasil. Uma delas é no fornecimento de mesas e fichas para poker, já que o país está muito forte nessa área e nossa atuação vem crescendo cada vez mais. Já na área de cassinos, temos crescido bastante no mercado latino e para iniciativas sem fins lucrativos de jogo, como hotéis e outros espaços que criam festas e ambiente temáticos e que compram mesas de roleta, black jack e outros jogos para suas promoções. Essa é, também, uma forma de fazermos testes com nossos produtos.

E como tem sido a resposta desse segmento à proposta da Real Poker?
Nos posicionamos como líderes nesse mercado, onde somos fornecedores do BSOP e WSOP, com padrões internacionais, e temos sido muito bem aceitos por cassinos de renome. Já vendemos para o Grupo Enjoy, do Chile, por exemplo, e para cassinos do Reino Unido. Ou seja, nosso portfólio de cassinos internacionais vem crescendo de maneira sustentada. Além da qualidade e design muito bons, temos a questão do câmbio. Nossos produtos são muito competitivos em função da desvalorização de nossa moeda diante do dólar. Os clientes da Real Poker atestam que temos preços excelentes diante de competidores de outros países, uma vez que toda a produção é nacional, baseada em nossa moeda, o real.

E sobre o mercado brasileiro em si, como você vê o atual momento do país e qual é sua expectativa de atender à demanda por soluções da Real Poker com a regulamentação da atividade?
A regulamentação nos causa muito boa expectativa, mas como será uma iniciativa inédita há mais de 60 anos e com poucas empresas como a nossa, acredito que precisamos de certa proteção num momento inicial. Acho que fabricantes de mesas, máquinas e fichas deveriam ter algum tipo de proteção baseada em tributação, pois do ponto de vista de qualidade e design, o Brasil está no mesmo nível que países que já tem o jogo regulamentado. E a Real Poker está nesse patamar e conseguimos competir de igual para igual.

Nas principais feiras do setor que visito no exterior, vejo que tanto em produtos de massa quanto naqueles mais elaborados e de alto luxo e com design altamente sofisticado, nossas soluções são inovadoras e capazes de atender de ponta a ponta com preços muito competitivos. Estamos localizados em Goiânia e isso é estratégico, pois estamos no centro do país e a logística é perfeita para nosso negócio e para atendermos com agilidade e preços atraentes para o envio de nossos produtos para qualquer ponto do Brasil por via rodoviária e por via aérea para nossos clientes no exterior.

Fonte: GMB