TER 22 DE AGOSTO DE 2017 - 04:21hs.
COI não tem certeza do movimento

Paris considera eSports para o programa olímpico 2024

Com cerca de um mês para o Comitê Olímpico Internacional (COI) decidir-se pelos Jogos Olímpicos 2024 em Paris, a França já está planejando o cronograma do evento. Nesta semana, o co-presidente do comitê francês, Tony Estanguet, disse que está avaliando a adição de videogames à agenda.

Conhecido como eSports, o jogo de vídeo competitivo ganhou espaço e entrou na pauta. Com uma audiência de fãs de eSports que pode chegar a 145 milhões de pessoas neste ano, de acordo com os dados coletados pela Fortune, não é de admirar que as autoridades olímpicas possam aproveitar também uma parte desse mercado.

"Temos de olhar para eSports porque não podemos dizer 'Não somos nós. Não se trata de Olimpíadas", disse Estanguet à Associated Press. "Os jovens, sim, estão interessados ​​em e-Sport e esse tipo de coisa. Vamos ver isso. Vamos encontrá-los. Vamos buscar pontes para essa aproximação", acrescentou Estanguet.

O dirigente continuou: "Eu não quero dizer 'não' desde o início. Eu penso que é interessante interagir com o COI, com eles e com a família eSports, para entender melhor o que é o processo e por que é um sucesso".

Estanguet não ofereceu mais detalhes sobre quais jogos podem compor eventos por medalhas, mas já existe um precedente para adicionar eSports a grandes competições esportivas.

Os Jogos Asiáticos debaterão eSports como um evento de exibição no ano que vem antes de adicioná-lo ao seu programa oficial de 2022. O Conselho Olímpico da Ásia anunciou a decisão em abril, observando que primeiro os eventos eSports apareceriam nos Jogos Asiáticos de Artes Marciais e Indoor, que deverão ocorrer no próximo mês.

Os organizadores planejam oferecer quatro eventos com quatro jogos: Dota 2, StarCraft II, Hearthstone e um jogo esportivo, ainda por decidir, mas será da série FIFA ou NBA.

Obviamente, qualquer programa nas Olimpíadas não ofereceria esse nível de dinheiro em prêmios, mas as medalhas poderiam ser tão valiosas em termos de prestígio.

Para adicionar qualquer esporte novo, no entanto, os oficiais franceses teriam de obter o apoio do COI, o que poderia ser um obstáculo. Em abril, o presidente do COI, Thomas Bach, não pareceu convencido de que os eSports se encaixariam nas Olimpíadas.

"Nós ainda não sabemos 100 por cento se o eSports é realmente esporte, em relação à atividade física e ao que precisa ser considerado esporte", disse Bach (via Inside the Games). "Não vemos uma organização ou uma estrutura que nos dê confiança ou garanta que, nessa área, as regras e valores olímpicos do esporte sejam respeitados e que a implementação dessas regras seja monitorada e protegida".

Para se tornar um evento olímpico, os esportes devem demonstrar certo nível de organização internacional, incluindo ter um órgão governamental mundial. Por exemplo, os eventos de natação e mergulho são supervisionados pela FINA, basquete internacional pela FIBA, futebol pela FIFA etc.

Fonte: GMB / Washington Post