QUA 17 DE JANEIRO DE 2018 - 01:05hs.
Urtzi Jauregui, Engenheiro da SIQ

"Esperamos que o Brasil seja o próximo grande evento na indústria de jogos"

(Exclusivo GMB) - O laboratório de jogos de origem eslovena SIQ está participando da SAGSE para entrar em contato com o mercado argentino e toda a região. Urtzi Jauregui, engenheiro de testes da empresa, recebeu a GMB durante o primeiro dia da feira e comentou a experiência que tem em vários países latino-americanos desde 2010, suas diferenças com outras empresas de certificação e suas perspectivas sobre o futuro mercado brasileiro.

GMB - Com que expectativa a SIQ chega à SAGSE 2017?
Urtzi Jauregui - A expectativa é dupla. Por um lado, entrar em contato com os fabricantes e operadores de máquinas e sistemas de jogos para conhecer suas necessidades. Por outro lado, estabelecer contato com reguladores, especialmente argentinos, uma vez que o mercado está em processo de regularização, estabelecendo padrões formais e queremos seguir este processo de perto, desde o início, assessorar os reguladores e ajudá-los a elaborar regulamentos sensíveis que protegem os jogadores e todos os setores. Queremos ser parte integrante do desenvolvimento do regulamento do jogo na Argentina.

Qual presença você possui atualmente na América Latina?
Estamos na região há muitos anos, desde o início da década de 2010, trabalhando em todas as jurisdições reguladas. Estamos no Peru, no Panamá, no Chile, na Colômbia, onde certificamos todos os tipos de máquinas de jogos e também sistemas de apostas online. Conhecemos o mercado de apostas latino-americano em todas as suas jurisdições e em todo o seu espectro de sistemas.

Como lidam com o trabalho na região, talvez com problemas que possam surgir em relação às mudanças nos governos, crises econômicas, mudanças nas regras do jogo etc.?
Acredito que a situação latino-americana é característica de uma indústria em desenvolvimento, na transição da ausência de regulação para a presença dela. Isso gera contradições, falhas e modificações, mas isso é algo normal que acontece em todo o mundo. Não encontramos problemas específicos na América Latina. Nossa experiência tem sido boa, como, por exemplo, em contato direto com o regulador, de maneira pessoal e com tempos de resposta, que talvez em outras jurisdições seja impossível.

O que diferencia a SIQ da concorrência que também atua no mercado latino-americano?
Nos diferenciamos em três coisas fundamentais. Por um lado, cobrimos todo o espectro de serviços que um fabricante de máquinas de jogos precisa. Realizamos testes eletrotécnicos, de compatibilidade eletromagnética e de baixa tensão de regulação eletrotécnica, que são necessários para que um gabinete seja aprovado. Fazemos testes de jogo, de sistema de segurança de informações para sistemas online, auditorias ISO, auditoria SIDSS para sistemas de pagamento por cartão de crédito etc. O cliente nos dá uma máquina e fazemos tudo.

Por outro lado, enquanto somos uma organização menor do que nossos concorrentes, somos uma porcentagem elevada de engenheiros de testes. Não temos vendedores ou pessoal de marketing para atuar como intermediário com o cliente. Quando eles nos falam, eles conversam com o engenheiro de testes que está fazendo o trabalho em seu sistema e responde diretamente a ele.

Finalmente, nossa política de prazos e preços transparentes. Preparamos uma oferta com um prazo e um preço certo e essa é a nossa última palavra. Prometemos terminar nesse período e a esse preço como prometido sem taxas ou surpresas ocultas.

Em resumo: espectro total para todas as soluções de clientes; negociações para pequenos tempos de resposta das pessoas que estão realizando os ensaios; e política de preços e prazos transparentes.

Como a SIQ vê o mercado de jogos brasileiro?
A SIQ acompanha com grande interesse a evolução no Brasil. Esperamos que seja o próximo grande evento no setor global de jogos e que em breve a atividade seja regulamentada, a lei do jogo aprovada e os regulamentos correspondentes para a certificação de sistemas definidos. Esperamos seguir este processo desde o início para ajudar os reguladores com a nossa experiência e assim poder escrever os melhores regulamentos possíveis; e aos fabricantes, com nossa oferta completa de serviços, para que eles possam certificar da maneira mais eficiente possível.

Existe a possibilidade de que se estabelecerão fisicamente no Brasil se abrirem seu mercado?
Eu nunca diria que não. Certamente, o tamanho do mercado brasileiro de jogos poderia tornar muitas opções de representação viáveis, embora não tenhamos planos que eu possa confirmar agora. Mas também não descartamos essa possibilidade.

Fonte: Exclusivo GMB