SÁB 18 DE NOVEMBRO DE 2017 - 17:15hs.
Ramón Aznar González, diretor geral da Vaprel

“Estaremos presentes no Brasil com todos nossos recursos desde a primeira hora”

(Exclusivo GMB) - Para o diretor geral da Vaprel, a empresa está mais do que preparada para voltar ao Brasil, onde foi líder de mercado durante os anos em que os bingos estiveram abertos, e acredita que com uma regulamentação sólida tanto fabricantes como operadores irão investir altas somas para oferecer o que há de melhor. “E a única maneira de controlar e regular o jogo é criando um marco legal”.

GMB - Como a Vaprel se posiciona hoje no mercado espanhol, que é o berço do bingo moderno? 
Ramón Aznar González - Atualmente a Espanha continua sendo nosso principal mercado, apesar da crise econômica que o país viveu nestes últimos anos e a Lei Antitabaco que foi aprovada no mesmo período. Mesmo assim, a Vaprel continua na liderança, com uma parcela de mercado bem superior à de seu principal concorrente. Além disso, com a introdução de um novo produto misto, cartela física e eletrônica, conhecido como BES (Bingo Eletrônico de Sala), a Vaprel aumentou sua presença por meio da oferta de novos produtos e serviços para salas de bingo.

Como está a operação em outros países e quais são os principais mercados para sua companhia?
Depois de 40 anos trabalhando pelo e para o bingo, a presença da Vaprel se mantém intacta na maioria dos países onde iniciamos a comercialização de nossos produtos em algum momento, tanto na América Latina como pela Europa e Índico.

Como manter jovialidade no setor e atrair uma nova geração de jogadores?
Precisamente isto nos levou a desenvolver um bingo mais moderno e de acordo com os requisitos de diversão para as novas gerações. O BES é uma estrela que iremos nos posicionar também no mercado brasileiro tão logo se autorize o jogo no país. Esperamos que seja o mais rápido possível porque estamos encantados com a possibilidade de retomarmos este importante mercado que faz parte da história de nossa empresa.

Vocês eram líderes no Brasil quando a atividade estava regulamentada. Agora nosso Congresso Nacional está discutindo a aprovação de uma nova lei para o setor. O que isto lhe parece?
Sinceramente, me parece genial. Todo mercado regulamentado permite estabelecer bases sólidas que permitam a segurança tanto dos fabricantes quanto operadores, permitindo-lhes investir com a tranquilidade de alcançar resultados. Dependerá da gestão de cada empresário os resultados finais, mas a regulamentação do jogo vai garantir o investimento realizado.

A Vaprel está preparada para a abertura do setor no Brasil?
Estamos trabalhando nisto há meses para estarmos plenamente preparados tão logo se aprove a lei. Por enquanto já temos presença no país através deste importante veículo de comunicação, algo que tenho certeza que faz com que todos saibam que a Vaprel estará no Brasil novamente sem sombra de dúvidas.

Como será a operação da empresa no Brasil? Vão ter uma planta como fizeram no fim dos anos 90 até 2007, quando as salas de bingo foram fechadas?

Efetivamente. Os processos de produção mudaram consideravelmente desde então, mas a Vaprel seguirá oferecendo todo seu leque de produtos diretamente no Brasil para cobrir qualquer demanda, inclusive adaptando-se ao gosto de cada cliente.

A operação será em conjunto com alguma empresa local ou a Vaprel irá instalar uma unidade própria?
Nossa intenção inicial é ter nossa própria unidade, mas neste momento estamos abertos a qualquer possibilidade.

Em quanto tempo estima que a Vaprel terá sua unidade de negócios no Brasil? De quanto será o investimento para isso?
Infelizmente ainda dependemos dos rumos e do tempo que levará a aprovação da lei que todos estamos esperando, mas reforço que estaremos presentes no Brasil com todos nossos recursos desde a primeira hora para oferecer aos nossos clientes nossa gama completa de produtos. Faremos um importante investimento em equipamentos para poder montar bingos imediatamente à aprovação da lei.

Qual é sua mensagem aos nossos deputados e senadores sobre o que significa o setor de bingos?
Bem, eu não sou político, mas desde minha própria experiência em uma infinidade de países em todo o mundo, sei que a única maneira de se controlar e regular o jogo (que sempre está presente), é com um marco legal. Além disso, legalizando, significará que o Estado arrecadará sobre uma atividade que de outra forma não estaria recolhendo impostos, apesar de existir, e ainda estaria totalmente descontrolado.

Fonte: GMB
Autor: Gildo Mazza